Masacre de Lisboa de 1506

Na Galipedia, a Wikipedia en galego.
Un dos dous únicos gravados que sobreviviron o Terremoto de Lisboa de 1755 e o incendio da Torre do Tombo: “Von dem Christeliche – Streyt, kürtzlich geschehe – jm. M.CCCCC.vj Jar zu Lissbona – ein haubt stat in Portigal zwischen en christen und newen chri – sten oder juden, von wegen des gecreutzigisten [sic] got.” (Da Contenda Cristiá, que recentemente tivo lugar en Lisboa, capital de Portugal, entre cristiáns e cristiáns-novos ou xudeus, polo Deus Crucificado”).

Na masacre de Lisboa de 1506, tamén coñecida como a masacre de Pascua de 1506, unha multitude perseguiu, torturou e matou a centos de persoas, acusadas de seren xudeus. Isto sucedeu antes do inicio da Inquisición e nove anos despois da conversión forzosa dos xudeus en Portugal, en 1497, durante o reinado de D. Manuel I.

Antecedentes[editar | editar a fonte]

Cerca de 93 mil xudeus refuxiáronse en Portugal nos anos que seguiron á súa expulsión de España en 1492 polos reis católicos. D. Manuel I mostrárase mais tolerante coa comunidade xudaica, pero, baixo o influxo español, tamén a partir de 1497, os xudeus foron obrigados a se converter ao cristianismo en Portugal, para non ser humillados e asasinados nas prazas públicas.

A masacre[editar | editar a fonte]

A historiografía sitúa o inicio da masacre no Convento de São Domingos de Lisboa, o día 19 de abril de 1506, un domingo, mentres os fieis rezaban polo fin da seca e da peste que asolaban Portugal, alguén xurou ter visto no altar o rosto de Cristo iluminado, un fenómeno que, para os católicos presentes, só podía ser interpretado como unha mensaxe de misericordia do Mesías, un milagre.

Un xudeu que tamén participaba na misa tentou explicar que ese milagre era apenas o reflexo dunha luz, pero a multitude non lle fixo caso, e golpeouno ata a morte.

A partir disto, os xudeus da cidade que anteriormente xa eran vistos con desconfianza convertéronse no chivo expiatorio da seca, da fame e da peste: producíronse tres días de matanzas, incitadas por frades dominicanos que prometían absolución dos pecados dos últimos 100 días para quen matase aos "herexes", e que xuntaron máis de cincocentas persoas incluíndo moitos mariñeiros de Holanda e de outras terras coas súas promesas.

A corte atopábase en Abrantes, onde se instalara para fuxir da peste, cando a masacre comezou. D. Manuel I puxérase de camiño a Beja, para visitar á súa nai. Foi avisado dos acontecementos en Avis, logo de ter mandando maxistrados para tentar por fin á masacre. Mentres tanto, mesmo as poucas autoridades presentes foron interrogadas e, nalgúns casos, obrigadas a fuxir.

Como consecuencia disto, homes, mulleres e nenos foron torturados, masacrados, violados e queimados en fogueiras improvisadas no Rossio, xunto ao lago de São Domingos. Os xudeus foron acusados entre outros "males", de deicidio e de seren a causa da seca e da peste que asolaba o país. A matanza durou tres días, do 19 de abril ao 21 de abril, na Semana Santa de 1506, e só rematou cando mataron a un cristián novo (pero non xudeu) que era escudeiro do rei, João Rodrigues Mascarenhas,que foi asasinado por un erro dos cidadáns exaltados, que pensaran que era un criptoxudeu e finalmente, chegaron as forzas reais para restaurar a orde.

Consecuencias[editar | editar a fonte]

D. Manuel I penalizou ós involucrados, confiscándolles as súas propiedades, e os dominicanos instigadores foron condenados a morte na forca. Hai tamén indicios de que o Convento de São Domingos foi pechado durante oito anos e sábese que os representantes da cidade de Lisboa foran expulsados do Conselho da Coroa (equivalente ao actual Conselho de Estado de Portugal), onde tiñan representación dende 1385, cando o rei D. João I lles concedeu ese privilexio polo seu apoio á súa campaña pola conquista do Trono portugués.

Despois da masacre, o clima de crecente antisemitismo en Portugal e do establecemento da Inquisición, que entrou en funcionamento en 1540, e durou ata 1821, moitas familias xudaicas fuxiron ou foron expulsas do país, tendo como destino principal os Países Baixos e,en menor medida, Francia, Turquía e Brasil, entre outros.

Incluso ós expulsados da Península Ibérica, só se lles permitía deixar Portugal tralo pago dun "rescate" á Coroa. No proceso de emigración, os xudeus abandonaban as súas propiedades ou vendíanas por prezos irrisorios e viaxaban só co equipaxe que podían levar.

A masacre na historiografía[editar | editar a fonte]

A Masacre de 1506 ficou na memoria colectiva, como un pedazo de historia esquecida que non aparece nos libros de historia, caeu no esquecemento e só uns poucos historiadores se refiren a ela. O horror e a violencia foron descritos e reproducidos por Damião de Góis, Alexandre Herculano, Oliveira Martins, Garcia de Resende, Salomon Ibn Verga e Samuel Usque.

Damião de Góis na «Chronica do Felicissimo Rey D. Emanuel da Gloriosa Memória» descríbea así:

«No mosteiro de São Domingos existe uma capela, chamada de Jesus, e nela há um Crucifixo, em que foi então visto um sinal, a que deram foros de milagre, embora os que se encontravam na igreja julgassem o contrário. Destes, um Cristão-novo (julgou ver, somente), uma candeia acesa ao lado da imagem de Jesus. Ouvindo isto, alguns homens de baixa condição arrastaram-no pelos cabelos, para fora da igreja, e mataram-no e queimaram logo o corpo no Rossio.

Ao alvoroço acudiu muito povo a quem um frade dirigiu uma pregação incitando contra os Cristãos-novos, após o que saíram dois frades do mosteiro com um crucifixo nas mãos e gritando: “Heresia! Heresia!” Isto impressionou grande multidão de gente estrangeira, marinheiros de naus vindos da Holanda, Zelândia, Alemanha e outras paragens. Juntos mais de quinhentos, começaram a matar os Cristãos-novos que encontravam pelas ruas, e os corpos, mortos ou meio-vivos, queimavam-nos em fogueiras que acendiam na ribeira (do Tejo) e no Rossio. Na tarefa ajudavam-nos escravos e moços portugueses que, com grande diligência, acarretavam lenha e outros materiais para acender o fogo. E, nesse Domingo de Pascoela, mataram mais de quinhentas pessoas.

A esta turba de maus homens e de frades que, sem temor de Deus, andavam pelas ruas concitando o povo a tamanha crueldade, juntaram-se mais de mil homens (de Lisboa) da qualidade (social)dos (marinheiros estrangeiros), os quais, na Segunda-feira, continuaram esta maldade com maior crueza. E, por já nas ruas não acharem Cristãos-novos, foram assaltar as casas onde viviam e arrastavam-nos para as ruas, com os filhos, mulheres e filhas, e lançavam-nos de mistura, vivos e mortos, nas fogueiras, sem piedade. E era tamanha a crueldade que até executavam os meninos e (as próprias) crianças de berço, fendendo-os em pedaços ou esborrachando-os de arremesso contra as paredes. E não esqueciam de lhes saquear as casas e de roubar todo o ouro, prata e enxovais que achavam. E chegou-se a tal dissolução que (até) das (próprias) igrejas arrancavam homens, mulheres, moços e moças inocentes, despegando-os dos Sacrários, e das imagens de Nosso Senhor, de Nossa Senhora e de outros santos, a que o medo da morte os havia abraçado, e dali os arrancavam, matando-os e queimando-os fanaticamente sem temor de Deus.

Nesta (Segunda-feira), pereceram mais de mil almas, sem que, na cidade, alguém ousasse resistir, pois havia nela pouca gente visto que por causa da peste, estavam fora os mais honrados. E se os alcaides e outras justiças queriam acudir a tamanho mal, achavam tanta resistência que eram forçados a recolher-se para lhes não acontecer o mesmo que aos Cristãos-novos.

Havia, entre os portugueses encarniçados neste tão feio e inumano negócio, alguns que, pelo ódio e malquerença a Cristãos, para se vingarem deles, davam a entender aos estrangeiros que eram Cristãos-novos, e nas ruas ou em suas (próprias) casas os iam assaltar e os maltratavam, sem que se pudesse pôr cobro a semelhante desventura.

Na Terça-feira, estes danados homens prosseguiram em sua maldade, mas não tanto como nos dias anteriores; já não achavam quem matar, pois todos os Cristãos-novos, escapados desta fúria, foram postos a salvo por pessoas honradas e piedosas, (contudo) sem poderem evitar que perecessem mais de mil e novecentas criaturas.

Na tarde daquele dia, acudiram à cidade o Regedor Aires da Silva e o Governador Dom Álvaro de Castro, com a gente que puderam juntar, mas (tudo) já estava quase acabado. Deram a notícia a el-Rei, na vila de Avis, (o qual) logo enviou o Prior do Crato e Dom Diogo Lopo, Barão de Alvito, com poderes especiais para castigarem os culpados. Muitos deles foram presos e enforcados por justiça, principalmente os portugueses, porque os estrangeiros, com os roubos e despojo, acolheram-se às suas naus e seguiram nelas cada qual o seu destino. (Quanto) aos dois frades, que andaram com o Crucifixo pela cidade, tiraram-lhes as ordens e, por sentença, foram queimados.»


Cidade da tolerancia[editar | editar a fonte]

Monumento en Lisboa en homenaxe aos xudeus mortos no masacre de Lisboa de 1506.

Esa masacre é recordada hoxe por un monumento construído no Largo de São Domingos en homenaxe ao xudaísmo, este monumento foi inaugurado o 23 de abril de 2008. Este lugar é un punto de encontro tradicional de estranxeiros, principalmente africanos, con outro monumento en homenaxe ao catolicismo, e un muro onde a frase "Lisboa, cidade da Tolerancia" está escrita en 34 linguas.

Véxase tamén[editar | editar a fonte]

Outros artigos[editar | editar a fonte]

Bibliografía[editar | editar a fonte]

  • Yosef Kaplan: A Diáspora Judaico-Portuguesa: as Tribulações de um Exílio (dissertação).
  • Jorge Martins: Portugal e os Judeus — Volume I, Dos primórdios da nacionalidade à Legislação Pombalina.

Ligazóns externas[editar | editar a fonte]